O Meu Útero

Será que o Covid-19 vai mesmo trazer um baby-boom?

Os efeitos do Covid-19 têm sido implacáveis em várias dimensões da nossa vida. Degladiamo-nos não só com a gestão das nossas carteiras, como também da nossa própria saúde mental e das nossas relações pessoais.

Um dos temas que tem vindo a ser cada vez mais discutido, inicialmente em tom jocoso, é o potencial baby-boom que testemunharemos a partir de Dezembro. O pressuposto é que, com o isolamento, os casais têm agora mais tempo para se dedicarem a produzir bebés. Até já propuseram um nome para essa geração de bebés frutos do corona: coronials.

Quando isto da pandemia parecia um tema longínquo, quando achávamos que o confinamento ia cingir-se a um par de semanas, até era divertido hipotetizar isto. Para muita gente, parecia um bom agoiro. Ainda por cima em Portugal, onde a taxa de natalidade é tão baixa!

No entanto, à medida que o cenário se afigura mais nocivo e mais duradouro, há que repensar se faz sentido achar piada a este tipo de consequência de uma crise tão profunda como esta que estamos a viver. E faz também sentido questionarmo-nos se vai mesmo acontecer um baby-boom.

Esta dúvida ficou a pairar na minha cabeça. Inicialmente, achei que era óbvio que sim. Mas tendo em conta as especificidades do panorama em que vivemos, talvez a resposta não seja tão “preto no branco”. O sexo é uma parte importante na reprodução, mas não é a única.

“Isto é matéria para um artigo no blog”, pensei. Então, pus-me a pesquisar o que a ciência tem a dizer sobre fenómenos como este.

Há inúmeros aspectos a considerar quando analisamos um contexto de crise tão acentuado e com implicações tão profundas, como acontece com esta pandemia global. Das situações de catástrofe já estudadas, cada uma tem a sua especificidade e isso reflecte-se nos resultados e conclusões alcançadas: características da catástrofe, contexto em que ela acontece e condições sócio-económicas da população são apenas alguns dos factores a ter em conta.

 

Confinamento = mais bebés. Ou será que…?

Se quisermos fazer uma conclusão generalizada, o que os estudos nos dizem é que quando existe uma situação breve que obriga a um confinamento forçado (como um furacão, por exemplo), a taxa de fertilidade tende a aumentar.

Mas será que esta lógica se aplica a qualquer situação de crise? Os números dizem que nem por isso.

O que se conclui é que existe uma correlação negativa entre gravidade da situação e probabilidade de aumento da taxa de fertilidade. Significa que quanto mais grave for o acontecimento, menos provável é que dele resultem mais bebés.

Isto pode ter que ver com a preocupação generalizada da população em ter um bebé num contexto difícil e imprevisível: fome, instabilidade e desemprego não são bons pontos de partida para se investir em trazer um ser humano ao mundo.

 

Depois da tempestade, vem a bonança

Mas os números também apontam que depois de a situação de crise passar é provável que a taxa de fertilidade aumente consideravelmente. 

Existem outros fenómenos curiosos associados a este cenário:

  • Quanto maior for a taxa de mortalidade resultante da crise, mais provável é que o número de mamãs de primeira viagem aumente. Ou seja: pessoas que nunca tiveram filhos têm maior probabilidade de os ter assim que a sociedade se começa a recompor do desastre. Se em Portugal a taxa de mortalidade não disparar como aconteceu em outros países, diria que não se aplica 
  • Além disso, se durante a crise ou desastre houver uma quantidade significativa de morte de crianças (não será o caso em Portugal), a taxa de fertilidade aumenta ainda mais consideravelmente.
  • E pessoas cujos familiares foram vitimizados no evento, apresentam também uma probabilidade acrescida de ter filhos.

A explicação por detrás disto é que, para lidar com a necessidade de se superar o trauma, surge uma vontade profunda de se sentir que a vida recuperou a normalidade. Ter bebés traz essa sensação de renovação e estabilidade. Uma espécie de trabalho comunitário pelo fim de um ciclo pesaroso e início de uma nova e luminosa fase.

Ao mesmo tempo, termos experienciado uma situação de ameaça à nossa sobrevivência pode levar a precipitarmo-nos e a tomarmos decisões que sejam significativas para nós e para a nossa vida afectiva.

Concluindo: não sendo eu uma especialista, a leitura que faço é que provavelmente não haverá baby-boom daqui a 9 meses em Portugal. Se esse baby-boom acontecer, será mais tarde, quando o tormento já tiver passado e nos estivermos a recompor do desastre.

Quanto a outros países do mundo, existem outras condicionantes em jogo: talvez em países como a Itália, onde se regista o maior número de vítimas mortais, a taxa de fertilidade aumente visivelmente quando tudo voltar “ao normal”.

Também me questiono se muito boa gente não adiará a maternidade até haver garantia de vacina para o Covid-19.

Ficam ainda questões importantes por responder:

  • Quanto tempo durará esta crise?
  • Teremos a garantia de acesso facilitado a meios contraceptivos nos próximos meses? (a produção de preservativos já está a sofrer com as medidas de quarentena impostas pelos países onde se encontram as fábricas, escrevi sobre isso aqui)
  • Quais as consequências de colocar em pausa as consultas de planeamento familiar?
  • Quantas mulheres não estarão a ser vítimas de violência sexual dentro das suas próprias casas, engravidando sem o pretenderem? 
  • E em relação às gravidezes indesejadas, serão as interrupções voluntárias da gravidez acessíveis, como acontecia antes de se declarar estado de emergência?

Com uma realidade que muda a cada dia que passa, só o tempo dirá o que daqui para a frente acontece. Aguardemos.

Artigos interessantes que consultei antes de me pôr a escrever ou REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA:

Evans, R.W., Hu, Y. & Zhao, Z. The fertility effect of catastrophe: U.S. hurricane births. J Popul Econ 23, 1–36 (2010). https://doi.org/10.1007/s00148-008-0219-2

Helen Salisbury: What might we learn from the covid-19 pandemic?
Salisbury, H. (2020). Helen Salisbury: What might we learn from the covid-19 pandemic?. Bmj, 368.

Nandi, A., Mazumdar, S., & Behrman, J. R. (2018). The effect of natural disaster on fertility, birth spacing, and child sex ratio: evidence from a major earthquake in India. Journal of Population Economics, 31(1), 267-293.

Nobles, J., Frankenberg, E., & Thomas, D. (2015). The effects of mortality on fertility: population dynamics after a natural disaster. Demography52(1), 15–38. https://doi.org/10.1007/s13524-014-0362-1

 

Obrigada à Patrícia Lemos do Círculo Perfeito pela troca de ideias, partilha de artigos e revisão do texto.

One comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Segue-me nas redes sociais

Instagram
Facebook
Subscrever
Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial

Acompanha o meu útero e mantém-te a par de tudo! ❤

%d bloggers like this: